Adoção do voto múltiplo avança no Brasil

Mecanismo aumenta representatividade dos minoritários, mas pode gerar instabilidade para as companhias

0

O uso do voto múltiplo vem avançando no Brasil. O instrumento foi requerido em 56 das 127 assembleias gerais de acionistas de empresas do Novo Mercado e dos níveis 1 e 2 da B3, segundo levantamento feito pelo escritório Moreira Menezes Advogados e publicado em reportagem no jornal Valor Econômico

Ao permitir que os acionistas de uma companhia votem em nomes fora da chapa indicada pelo controlador, o instrumento fortalece a representatividade dos minoritários, conforme explica Thomas Magalhães, sócio do Magalhães & Zettel Advogados. Por meio do voto múltiplo, o acionista pode cumular todos os seus votos em apenas um candidato ao conselho de administração (CA) ou distribuí-los entre vários. A possibilidade de concentração aumenta as chances de os minoritários elegerem pelo menos uma pessoa para o conselho.

Apesar desse aspecto positivo, o advogado considera que a adoção do voto múltiplo pode gerar certa instabilidade para as companhias. Quando ocorre a destituição de um dos conselheiros (numa assembleia em que o mecanismo foi usado), todos os demais são afastados e a empresa precisa fazer nova eleição para o CA. O problema é que essa situação pode prejudicar a dinâmica do órgão. “Há uma perda do histórico, do ritmo e do tempo que os conselheiros tiveram para se acostumar uns com os outros e com o corpo executivo da empresa e seu negócio”, observa Magalhães.

Confira abaixo mais detalhes sobre o voto múltiplo e suas implicações para as empresas. 


O que é o voto múltiplo, qual a sua finalidade e quando ele pode ser utilizado?

Thomas Magalhães: A instituição do voto múltiplo se deu pela Lei 6.404/76 (Lei das Sociedades por Ações). Ele pode ser conceituado como o processo de votação mediante o qual se atribui a cada ação tantos votos quantos sejam os cargos a preencher no conselho de administração (CA), reconhecendo-se ao acionista o direito de cumular os votos em um único candidato ou distribuí-los entre vários.

O sistema de voto múltiplo se aplica exclusivamente aos acionistas detentores de ações ordinárias, ou seja, ações com direito a voto. Qualquer acionista detentor de pelo menos 10% das ações ordinárias da companhia pode requerê-lo para eleição dos membros do CA.

Sua finalidade é fortalecer a representatividade dos acionistas minoritários nos órgãos sociais das sociedades anônimas abertas e fechadas. Caso o voto múltiplo não existisse, esses espaços seriam sempre dominados pelo acionista controlador.


No que ele difere do voto em separado e do voto plural? 

Thomas Magalhães: O sistema de votação em separado, diferentemente do voto múltiplo, não é exclusivo apenas dos acionistas detentores de ações com direito a voto, podendo ser uma prerrogativa dos acionistas que possuem ações preferenciais e/ou ordinárias. Além disso, pode ser requerido somente em companhias abertas que tenham um controlador, nas quais podem ser realizadas duas eleições, em separado, para a composição do CA. 

Já o voto plural confere a determinadas classes de ações mais de um voto, enquanto outras classes permanecem com direito a um voto. Esse mecanismo era proibido de maneira expressa pela Lei das S.As., mas passou a ser permitido com a promulgação da Lei 14.195/21, denominada “Lei do Ambiente de Negócios” (iniciada com a Medida Provisória 1040/21) e sancionada em 26 de agosto 2021. 


Para as empresas, quais são as implicações do uso do voto múltiplo por parte dos minoritários?

Thomas Magalhães: Uma das implicações quando o CA de uma companhia é eleito pela sistemática do voto múltiplo é que a destituição de um dos conselheiros implica a destituição dos demais membros. Isso obriga a companhia a fazer uma nova eleição. Essa situação pode prejudicar a dinâmica das decisões desse órgão, com potencial para afetar os negócios da companhia, uma vez que se perde histórico, o ritmo e o tempo que os conselheiros tiveram para se acostumar uns com os outros e com o corpo executivo da empresa e seu negócio. 

Outro aspecto que pode ser considerado negativo é a necessidade de aviso prévio em relação aos votos — a sistemática precisa ser solicitada em até 48 horas antes do início da assembleia. Seria mais interessante se o voto múltiplo pudesse ser requerido durante a própria assembleia, evitando antecipar a estratégia de um acionista, o que possibilita alianças e defesas. 


Alguns consideram que há um uso excessivo do voto múltiplo. Qual é a sua opinião a respeito? 

Thomas Magalhães: Em minha opinião, em que pese a oportunidade de os acionistas minoritários elegerem um conselheiro de sua confiança, a Lei das Sociedades por Ações assegura os interesses dos acionistas controladores das companhias, não configurando problemas de um uso excessivo ao voto múltiplo.

O pedido de adoção de voto múltiplo formulado por acionistas titulares do percentual exigido não poderá ser negado pela companhia, seus administradores e controladores, sob pena de configurar infração grave (artigo 4º da Instrução 165/91 da CVM). Uma vez deferido o processo de voto múltiplo, este alcança todos os acionistas presentes à assembleia, e não somente aqueles que o requereram. 

A Lei das S.As se preocupou em atender aos interesses dos acionistas controladores das companhias, assegurando-lhes maior representatividade no CA. Havendo eleição dos minoritários ordinaristas e dos preferencialistas pelo procedimento previsto nos §§ 4º a 8º do artigo 141 da Lei das S.As (voto em separado), cumulativamente com a eleição de membros do CA pelo procedimento de voto múltiplo, a lei reservou o direito de o acionista controlador manter sua representatividade em número superior caso os minoritários e preferencialistas elejam o mesmo número ou mais conselheiros do que o acionista controlador. Cabe a este eleger a maioria dos membros do CA, ainda que para assegurar essa maioria seja necessário ultrapassar o número total de conselheiros previsto no estatuto social da companhia.


Leia também

Voto plural chega ao Brasil

As polêmicas em torno do voto negativo

Mais mulheres em conselhos de administração

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.